Aprenda a distinguir a qualidade de um selo

    

                                                                              Giorgio Radini

                                                       Ana Lúcia Loureiro Sampaio

                                                  http://www.portaldoselo.com.br

 

Um selo é considerado perfeito, quando tem todos os dentes não tem vincos, não está meio amarrotado, não está sujo, não falta pedaço; não está raspado na frente e não tem o papel esgarçado. Sabemos que o papel está esgarçado, quando colocamos o selo contra a luz e vemos pelo verso as pequenas transparências no local em que o selo está esgarçado. Para este tipo de defeito existe uma palavra em francês: “aminci” que é o termo correto empregado na linguagem filatélica quando se descreve um selo em listas e revistas de ofertas ou catálogos de leilão.

 

Um selo perfeito pode ser novo ou usado. É novo quando não tem carimbo mancha ou qualquer sujeira na frente. É usado quando tem carimbo. Um selo novo pode ser de 1 ª escolha ou de 2 ª escolha. De 1 ª escolha é o selo “MINT” tem a goma original perfeita sem qualquer marca de charneira, ferrugem, papel ou sujeira na goma ou então está sem goma, porque foi lavado para tirar o que o estava enfeando. Um selo de 2 ª escolha é justamente um selo com a goma ruim; isto é, com algum ou alguns dos quesitos mencionados acima. O selo de 2 ª escolha deverá custar menos que o selo “MINT” e dependendo do estado em que esteja menos irá sendo o seu valor.

 

Um selo usado também pode ser de 1 ª e 2 ª escolha. De primeira escolha é o que tem o carimbo leve ou então os que tem carimbo completo em que se possa ler nome de cidade data, etc, mas precisa ser limpo; não deve ser borrado. De 2 ª escolha é o selo que tem o carimbo muito forte, sujo, vários carimbos ou um borrão que cobre todo o selo. Um selo assim deve custar menos do que um de 1 ª escolha. O selo de 2 ª escolha; seja ele novo ou usado, desde que perfeito, pode fazer parte de uma coleção.

 

Só há um caso em que se pode colocar um selo com algum defeito pouco, mas bem pouco mesmo, aparente: quando o selo perfeito é muito caro. A escala de caro, varia de pessoa para pessoa, mas acredito que em qualquer coleção possam entrar apenas uns poucos selos defeituosos; para que ela não se transforme em um monturo de lixo. Selos defeituosos baratos devem ser jogados fora, a bem da própria Filatelia.

 

Fonte: http://www.cfnt.org.br/textos/qualidade_selo.php

Contato

Numismática Ribeirão Preto Rua Florêncio de Abreu, 1136 - Centro
Ribeirão Preto - SP
Osvaldo Luiz Oliveira
(16) 3610-6487
numismaticarp@gmail.com